Poesias

Contos            

Conto de Fodas!

Toda sexta-feira de carnaval,
Eu, amigos e amigas e amigas,
Ou amigos mesmo, é claro!
Travestíamos-nos de mulher
E íamos para a Barra, num pequeno bloco de travestidos e seguranças femininas,
Que se auto intitulava, as donzelas!

Era o melhor dia de carnaval!
Nós enchíamos a cara para encarar o nosso lado feminino!
Nós brincávamos, sacaneávamos para caralho!
Nós ríamos, chorávamos de alegria e nos libertávamos!
De forma sadia, sempre acabávamos arranjando namoradas, travestidos!

Neste ano, o tema era as gracheironas!
Recordei meu apelido crematório de colegial, gracheirão!
As meninas faziam a segurança do bloco,
Nos aturavam, nos agarravam e cuidavam dos mais alcoolizados!
Os homens, como dantes disse, brincavam, sacaneavam,
E num paradigma que me intrigava, mas que já compreendia,
As meninas gostavam muito da brincadeira e assim nos sentíamos mais amados!

Neste ano, as donzelas foram convidadas para dar uma entrevista no programa do Varela!
Estava presente na audiência, o vereador e hoje Ministro da Cultura de Lula, o Gilberto Gil!
Quando o tema do bloco foi tocado por Varela, as Gracheironas!
Houve um terrível constrangimento!
As donzelas que nos representavam eram Maria Marcela e Idreolina Safferobaldi!
O Vereador de Lídice, Gil, contrariado, reclamou do tema, disse que o era racista
E alegou que sua mãe havia sido uma pobre lavadeira!
Marcela e Idreolina contra-argumentaram, foda-se, o que temos com isso!
Varella interveio, e a questão foi abafada!

Neste ano específico, pela segunda vez,
Solicitei insistentemente, os serviços de segurança de Mônica Mulata Gostosíssima,
Pois estava sendo espreitada, In Vero, por um tarado!
Esta Mulata era belíssima mesmo, linda em carbono,
Mas pela segunda vez, não quis me proteger, uma sábia decisão, eu acho!

Continuei então deprimido e solitário, pulando mais do que Saracura!
De galho em galho, sacaneando ainda mais, decepcionado com a falta de segurança no bloco!
E deste modo sai na porrada no Farol da Barra, sei lá com quem!
Estava muito alcoolizado,
Fui preso pela Polícia Militar e o bloco em peso gritava, liderado pela travestida, amiga minha,
Punk Bruster!

Solta! Solta! Solta! Solta!
Soltem a Kely! Soltem a Kely!
Soltem a Kely Rogers! Soltem a Kely Rogers! Meu nome de guerra!
Sendo solta!

Seguimos em direção ao Cristo,
Estava meio zonzo, sozinho, sem o bloco, sem a fantasia,
de sunga, dinheiro, identidade e a chave do carro!
Resolvi comer um cachorro quente, para matar a alcoolização!
 
Sempre sacana, sempre brincalhão, sempre sarcástico e tirando sarro com a cara de todo mundo!
Cheguei para o neguinho da barraquinha e me identifiquei!

Jo soi Carlito da Gama Saragoza!
Soi de la província de Buenos Aires! Argentina ( aprendi esta sacanagem com Mr. Tinho!)
Jo quiero um cachorrito caliente e uma cue cue cuela!
Fui atendido e compreendido nos meus pedidos!
Saciei a fome do estômago, mas havia ainda outra a saciar!

Segui adelante! De sunga!
Phá! Trombei-me e agarrei-me com duas lindas louras gaúchas!
Beijamos, sorrimos, gozamos e nos amamos à primeira vista!
Sem falsa modéstia eu era muito bonito na época,
Tinha um corpo muito atlético,
Já havia até sido convidado para participar de um filme nacional,
Como líder de uma gangue de trombadinhas,
Por um Diretor de Cinema que estava num taxi e não deu uma palavra,
Mas o motorista do taxi conhecia bem o roteiro do filme e me explicou do que se tratava,
Convidou-me à entrar no taxi para conversar com o diretor, mas declinei do convite,
Não tinha vocação para ser Star!

Bom, voltando às louras que foi muito melhor,
Fomos parar num bar na Barra,
Ela tentando a namorada dele, eu e minhas namoradas!
Senti que a mais velha, 23 anos queria comer, junto comigo a mais novinha, 17 aninhos,
Que a partir de agora vou as tratar de Lobinho e Cordeirinha!
As duas eram lindas, nunca havia se passado comigo nada igual,
A expectativa do meu primeiro Menage a Trois, acho que eu tinha 19 anos, me excitava,
Deixava louco e extremamente nervoso, com aquelas duas beldades!

A Loba estava também muito excitada, nervosa, ansiosa;  a Cordeirinha estava meio alcoolizada!
A Loba estava incomodando a Cordeirinha!
Cheguei nos ouvidos da Loba, sem que a Cordeirinha percebesse e lhe disse, calma, você está
Indo com muita sede ao pote, você há está assustando, vá devagar, fique calma que nós vamos
Comer esta menina hoje, precisamos alcooliza-la mais! Vamos beber!

A Loba abriu o sorriso nos dentes mais lindo que já vi em toda a minha vida, um sorriso maior que o universo, mais indefinível que o tempo, mais enigmático que um beijo à meia noite. Ela prontamente
Ficou completa mente apaixonada por mim, eu senti que ela passou a me amar naquele instante!

Entramos no meu Fusca Equipado, fiz a besteira de dar o carro para a Loba, muito doidinha, dirigir,
Quando esta saiu em disparada, quase atropelou umas pessoas e dois policiais, puxei o ferio de mão,
Inventei uma desculpa para os policiais e tomei de novo a direção!

Fui dirigindo-nos, em direção à Pituba, uma parada estratégica noutro bar, na direção mais do que perfeita dos motéis. Mantive a estratégia de alcoolizar ainda mais a Cordeirinha que estava meio assustada e reticente em função das investidas do Lobo e da Loba. No trajeto, parei beijei os seios tesos, lectívagos, duros, rosas, lindos, sem sutiã da Cordeirinha e coloquei as minhas mãos em sua boceta! Que prazer filho da puta! Que filho da puta sentiu a Loba, que investiu com as mãos no meu caralho, que hora era pedra e o estrangulou,
Tive que parar as investidas na Cordeirinha e me defender da loba senão perderia meu falo para sempre,
Devorado por um incrível ciúme e inveja do pênis! Fiquei sem dinheiro e cheques no bar, pedi ao dono dor bar dinheiro emprestado para poder ir ao motel com as duas, deixaria minha identidade, mas para o meu azar o dono do bar era viado!

Fiquei puto da vida, extremamente nervoso, a Cordeirinha não cedia às investidas da Loba, e tinha de decidir se ia para o motel, sem lenço, dinheiro ou documento! Decidi voltar para casa com as duas, quebrei a chave do carro na ignição, voltamos de taxi, brigamos para ver quem pagava o taxi, pedi à Loba que pagasse pois estava sem dinheiro, ela gritou comigo e não aceitou, fui embora e dei um jeito.

Assim frustrou-se o meu primeiro Menage a Trois!!!

Autor: Eduardo Gomes
Data: 10/04/2005


 
 

Categorias Poéticas:


Eduardo Gomes          Tel.: 55 - 71 - 98148.6350     Email: ebgomes11@hotmail.com