Poesias

Realistas            

Solidão

Os corpos que aprisionam os espíritos

São os mesmos corpos que afastam as almas.

Possíveis contatos corpóreos

São impossíveis contatos espirituais.

 

Eis enfim a terrível solidão

Sentimento profundo que corrói por dentro

Constatação sinistra que esquarteja os sentidos

De cujos encontros,

 

O sonho mais bonito,

Só se podem realizar no infinito

Dos desejos mais carnais.

 

Frutos de mentes em conflitos colossais

Apedrejadas pelos ritos imparciais da natureza

Necessitadas por instintos. De proteção, de comunhão e de certezas.   

 

 

Autor: Eduardo Gomes
Data: 07/08/2001


 
 

Categorias Poéticas:


Eduardo Gomes          Tel.: 55 - 71 - 98148.6350     Email: ebgomes11@hotmail.com