Poesias

Surrealistas            

Inteligência Artificial

Como construir uma máquina,

Tão aleatória quanto a mente humana?

Máquina voraz! Altiva! Sacana!

Zilhões de dados combinatórios...

 

Descontextualizados, co-participativos, contraditórios...

Primitivamente, primitiva mente, magnificamente organizados...

Por uma inteligência predatória

Que há outras máquinas degola

 

Que há outras mentes conquista

Que comove e chora

Que materializa, critica, julga e sentencia...

 

Que raciocina, abstrai, idealiza, deriva e sente...

Foto-eletricamente

Completa mente, obcecadamente, combinatória!

 

Autor: Eduardo Gomes
Data: 12/05/2004


 
 

Categorias Poéticas:


Eduardo Gomes          Tel.: 55 - 71 - 98148.6350     Email: ebgomes11@hotmail.com