Poesias

TEXTOS D TERCEIROS 01            

Sísifo, o fogo e as essências! ( Florisvaldo Mattos )

Aos mortos do World Trade Center de Nova York (Terça-feira, 11/09/2001)

Liberté, j’écris ton nom ( Paul Éluard )

Grandes e estranhos pensamentos
Francamente trafegam pelas
Rotundas da noite. Desperto
De longínquas esferas, ardo.
Propenso a inundar-me do ar da noite,
Absorvo mapas de passado grávidos.

Só a noite, sim, me recupera os tendões
Nervosos que me amarram a almejadas
Glórias, as que me faziam anjo
Pairando sobre mantos estelares
E, súbito, perdi. Tateio entre ventres,
Entre seios, flores murchas de olor sugado.

Não estou nada feliz. No mar revolto
De sonhos desvanecidos, resta-me,
De meu posto, aguardar o êxtase tempestuoso.
Gêmeas torres sem alegrias, imponentes,
Diáfanas: o orgulho traspassa constelações,
A enrijecer, petrificar corações em febre.

Tudo se parece com o mar: profundidade
E sobressalto. Outrora eram desertos,
Fecundas areias de canto e idílio
Nostálgicas. Ou, antes, com céu propício
A viagens, ao sopro de ventos perenes,
Navegações de alma, semblantes nômades.

E, assim, marcho para a noite de estilhaços,
Onde submerjo. Sobrevieram devastações,
Mal os pássaros acordavam, quando tudo
Transmudou-se em frágua vertical, depois ruiu,
Poeira e pedra no descambo caçando Sísifo,
Solerte adubação, solo propenso a iras.

Ó pranto hereditário de Velho Oeste
Sem anjos, fogo de revólveres pedagógicos,
Terras (disseram) de glorioso fundamento.
Metralhadoras em noites de ritos fumegantes,
Ó didático pragmatismo do aço, sangue e balas;
Moedas de fel sobre relva de surdos passos.

Decididamente, perco-me entre grossas
Cordilheiras de fumo, de caliça e ferro
Retorcido; corpos de forma e cor nenhuma.
Decididamente, o caos se fez medo e escombros,
Ante rostos atônitos, bocas empedernidas.
De novo Guernica? De novo Nagasaki?

Pássaros cegos descreveram linhas rubras
No céu da manhã, refletidas na água verde
Do rio que segue indiferente destino
Sob grandes pontes. No chão, decididamente,
Em letras de cimento e alumínio, a mão do anjo
Escreve: Humanidade, vergonha é o teu nome!

Poema de Florisvaldo Mattos, Salvador, 20/09/2001.

 

Autor: Eduardo Gomes
Data: 18/10/2005


 
 

Categorias Poéticas:


Eduardo Gomes          Tel.: 55 - 71 - 98148.6350     Email: ebgomes11@hotmail.com