Poesias

TEXTOS D TERCEIROS 01            

Antropofagia ( Stéphen Dédalus )

Tenho fome. Dói saber que sou faminto. Queria te comer, tê-la nua e indefesa em uma enorme bandeja de prata. Devorar cada parte tua com um prazer primitivo que só nós, pagãos inocentes, conhecemos.

Tenho fome, queria comê-la, lambê-la antes de morder. Estaria saciado ao retê-la dentro de mim, circulando em minhas veias, nutrindo meu coração com um lirismo que só nós, ciganos errantes, sabemos.

Tenho fome, queria possuí-la sedenta para ser devorada.  Sangue pulsando, órbitas dilatadas, mamilos rijos.

Deleite que só nós, deuses decadentes, ousamos provar. Que parte me causaria mais prazer? As partes tenras: nádegas, seios, língua? As partes molhadas: olhos, boca, genitália? Quem sabe não seriam os músculos, os tendões...

Teus olhos grandes sobre mim. Teus grandes lábios carnudos, teus grandes lábios carmins. Teus grandes olhos de presa abatida, o antegozo da dor, prelúdio da mordida.

Tenho fome, queria derramar-me. Queria estar dentro de ti.

Poema de Stéphen Dédalus.

 

Autor: Eduardo Gomes
Data: 18/10/2005


 
 

Categorias Poéticas:


Eduardo Gomes          Tel.: 55 - 71 - 98148.6350     Email: ebgomes11@hotmail.com