Poesias

Artistas            

Meu Canto de Amor para Ti, Eva!

A música que te compus, é sacra!
A compus assim, como um sacramento, sem perceber!
Quando a tinha composto, estava exposto em oração,
O que por ti, brotou em mim, tão lindo sentimento!

Chamaram-me à tensão, compusestes para ela uma liturgia!
Compusestes para ela, uma música de amor em contrição,
Qual amor de Jesus à Virgem Maria que lhe deu Luz e Vida,
Com teu brilho esfuziante! Com teu cantar de sabor tão intelectual!

É que confesso-vos, cruzamo-nos na hora certa, a hora perfeita de um encontro de identificação!
Na hora de quem se torna fã de uma Diva da beleza, da inteligência e do amor,
Sinto o peso de nossas responsabilidades conjugais, elas nos afastam de forma desumana,

Como se se afastassem um casal de Cisnes, que juntos vivem até a aurora, a hora final!
Não deveria ser esta nossa sina, tocar-te apenas com os olhos, ouvidos e intelecto,
Num sentimento tão forte, que não consigo mais deixar de ser indiscreto!

Não tenho medo de mostrar-lhe e nem de mostrar ao mundo o amor que te sinto!
Seria uma agressão à mim mesmo não te confessar em oração,
Tanto ardor, identificação, paixão, desejo e tesão que me despertas!     
     
Perdoai-me o atrevimento de usar as palavras que usei para versar-te o que te sinto!
Mas se não o fizesse, seria um covarde, e não te mereceria, nem mesmo à distancia!
Deliciando-me com teu canto, tua voz e tua gostosa estampa!

Como um fraco que não sabe o que quer, que não é convicto do que sente!
Como um demente, que não tem força e coesão em seus versos de amor, para uma Deusa!
Como um poeta que não rima amor com flor, quando rima para uma mulher, tão especial!

Tão sensual, tão flamejante, tão fluorescente, tão brilhante, tão empolgante, tão viciante,
Qual o amor de uma fêmea fatal que com o teu ser domina qualquer macho sensível,
Qualquer macho que tenha por sorte ouvir tua lira, tua trova e teu canto!

Beber do caldo intelectualizado que emana das letras inebriantes de tua cativante poesia!
E ser qual feixe de luz que trafega no espaço sideral, perdido no teu ser,
Alcançar-te, lá no lugar que define a tua dimensão como artista, como pessoa, como mulher!

O infinito de toda poesia, numa só poetisa!
Parabéns!!! Por tudo que tu és, por todas as paixões que provocastes no meu ser!
E oro à Afrodite, Deusa do amor, que não te tire jamais de perto do meu coração!

Autor: Eduardo Gomes
Data: 19/04/2005


 
 

Categorias Poéticas:


Eduardo Gomes          Tel.: 55 - 71 - 98148.6350     Email: ebgomes11@hotmail.com